You are currently viewing Chamados para ser Testemunhas

Chamados para ser Testemunhas

Pr. Carlos Alberto
PIB Rolim de Moura

“Mas vocês receberão poder, ao descer sobre vocês o Espírito Santo, e serão minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até os confins da terra.”

Atos 1:8

Poder, uma palavra que muitos em nossos dias fazem de tudo para tê-lo. Mas é o que temos como Igreja! Recebemos o poder do Espirito Santo. Muitos querem poder do Espirito para realizar muitos milagres, grandes sinais e prodígios, com isso não quero dizer que não creio em milagres, sim creio em milagres. E estes sendo feito pelo poder de Deus, o Deus de Milagres. Mas este poder não é para realizarmos grandes sinais. Jesus diz que receberiam poder para uma tarefa importante. Que é a evangelização, fazer missões.

Temos uma tarefa importante deixada por Jesus a sua Igreja que somos nós. E esta tarefa é sermos suas testemunhas. Infelizmente a Igreja em nossos dias está mais envolvida em outras áreas menos neste mandato do Senhor Jesus a cada cristão. Hoje a Igreja é apoiadora política, assistente social e menos testemunha de Jesus. Neste texto somos chamados para ser testemunha, esta palavra tem o significa “alguém que presencia algo”, afinal de contas só pode ser testemunha, alguém que presenciou um determinado fato.

Qual seria este fato que nos permite então ser testemunhas de Jesus? A nossa experiência da vida cristã e da caminhada ao lado de Cristo, nos garante o direito de sermos testemunhas de Cristo. Isto significa que todo cristão tem sim o desafio de ser testemunhas. Mas o que se percebe na Igreja é a profissionalização desta tarefa. Isto significa que esta tarefa foi deixada para pastores e missionários. O que diminuiu e muito os obreiros da seara. Diante disso temos o desafio de assumir esta tarefa e começarmos ainda hoje sermos testemunhas de Jesus.

O segundo desafio neste texto deixado para nós, é quanto a extensão geográfica da nossa missão. No texto percebemos as 4 extensões geográficas para a Igreja: local, estadual, nacional e mundial. Vemos o esforço enorme que temos com missões mundiais e nacionais, mas nos esquecemos de sermos testemunhas em Jerusalém e em toda a Judeia. Afinal de contas fazermos missões mundiais é mais fácil porque não vamos até o campo, nós financiamos missões, e nossa consciência se torna limpa, dando uma falsa impressão de que estamos fazendo missões.

Um ensino errado que diz que fazemos missões: orando, contribuindo e indo. Note que o indo, está em último lugar. E hoje financiamos missões, oramos por missões, mas não fazemos a missão de sermos nós quem testemunha. Com isso não quero dizer que você não deva contribuir com recursos financeiros, ou até mesmo em orações. Mas sim fazer a sua tarefa principal sem delegar a outros o seu dever, ser testemunha.

E fazermos missões locais é um desafio para a Igreja. Porque fomos ensinados que missões é olhar para a janela 10×40. E na verdade existem pessoas que não conhecem o verdadeiro evangelho que moram ao nosso lado sim os nossos vizinhos. Eles precisam saber como é viver com Cristo. Temos a tarefa de compartilhar o que estou vivendo com Cristo.

Como compartilhar se não tenho relacionamento real com Ele? Como ser testemunha se não sinto que Ele transforma a minha vida a cada dia? Este é o desafio maior, levar primeiro a Igreja a ter uma experiência real com Deus, para depois poder compartilhar. Diante do desafio de fazer missões, precisamos nos relacionar com Jesus. Porque afinal a boca fala do que o coração está cheio, se não estamos falando de Jesus para outra pessoa, é porque o nosso coração não está cheio de Jesus.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Haggai diz que quando o evangelho é anunciado para amigos, a chance dele permanecer é maior do que quando decido levar o evangelho para um lugar distante. Por isso somos chamados neste tempo para fazer missões em Jerusalém e em toda a Judeia. Que Deus encha sua vida do pleno poder do Espirito, e como consequência você passe a ser uma testemunha viva de Jesus onde estiver.

Na graça e no amor de Cristo,

Pr. Carlos Alberto
Pastor da PIB Rolim de Moura